Viajar sozinha (ou com borboletas na barriga)

Tenho recebido comentários tão bonitos sobre a "casinha nova" do blogue, apesar de parecer ainda a meio gás é bom saber que tenho a vossa companhia e o vosso carinho.

Algumas meninas pediram para eu voltar a "contar" as peripécias da primeira viagem que fiz sozinha, foi realmente uma publicação que gerou muitos risos e comentários.

A pedido de varias famílias 😂😂😂😂 recordo agora neste cantinho as minhas aventuras.

Já todos sabem que adoro viajar, quem me dera que a carteira fosse do tamanho do sonho ...
Sempre gostei do meu espaço, de ter um bocadinho só para mim e mesmo quando viajava com a família, o namorado ou os amigos fugia sempre umas horas para explorar os cantinhos do meu roteiro.

A primeira vez que viajei sozinha parece que o universo se alinhou (do avesso) e tudo aconteceu.
Foi numa semana cheia de greves, (não só na companhia aérea que eu tinha escolhido para viajar, era mesmo geral), mais atrasos e atrasos e ainda mais atrasos nos voos.
Dois dias antes um avião tinha sido abatido por um míssil num país que fazia fronteira para onde eu voava e um (bem mais distante) tinha caído misteriosamente ...
Nada me deteve ... nem as borboletas que estavam doidas e elétricas no meu estômago ...
Saí de Lisboa já com 4 horas de atraso e adivinhem ... ao sobrevoar a Itália apanhei a maior tempestade a bordo que alguma vez tinha visto, o céu quase preto, relâmpagos "colados" à asa do avião e turbulência gigante de mais de 20 minutos ...

abellaeomundo viajarsozinha Budapeste

Finalmente cheguei ao destino escolhido : Budapeste, a lindíssima capital da Hungria.
Era suposto ter aterrado perto das 19h mas com tudo isto já passava das 23h ... e foi nessa altura que "caiu a ficha" e percebi que estava completamente sozinha num país desconhecido.

A adrenalina estava ao rubro e a ansiedade e a mania da perseguição também ...
Nem consegui colocar nada no estômago, a fome tinha desaparecido ... mas ia ficar no quarto até o sol nascer ? Claro que não !!!
Com o coração disparado entrei no quarto do hotel, olhei pela janela, pousei as malas, molhei a cara, vesti um casaco e fui explorar a cidade ...
Era altura de seguir em frente, com confiança e um sorriso, simples assim.


Os primeiros momentos que vou recordar para sempre :

😁 Chegar depois das 23h cheia de vontade de explorar a cidade, com todos os sentidos em alerta ...
Decidi não me afastar muito do hotel e andei em busca de um bar/café/salão de chá, com muita gente simpática para me sentir mais confortável e fazer uma pausa para beber um cacau gigante para acalmar um bocadinho ... quando finalmente escolhi o lugar e já sentada, reparei que mesmo ao lado existia um Peep Show do mais duvidoso que consigam imaginar (risos) e a estrela da noite era a "Jhessyca" que não cheguei a conhecer ...

😨 Dos maiores sustos da minha vida ...
Ao atravessar um túnel de Buda para a Ponte das Correntes (em Peste) num passeio para peões com a largura de "3 dedos", eu e um rapaz Japonês que ia uns metros à frente quase que fomos sugados para debaixo de uma fila de autocarros turísticos com a deslocação do ar, fomos salvos por uma grelha na parede onde deixei duas unhas ... não eram de gel ... ainda hoje me dói ao recordar ... outch ... ficámos uns segundos a olhar um para o outro, a respirar fundo, a verificar se estávamos inteiros e saímos dali o mais rápido possível ...

😍 A simpatia e os sorrisos ...
Pedir indicações aos locais que não falavam inglês mas que não desistiam de ajudar foi das coisas mais bonitas de Budapeste.
Encontrei das pessoas mais simpáticas do mundo, que faziam desenhos e mímica (mesmo, mesmo a sério) para eu conseguir encontrar a "Igreja Amarela", que era o nome carinhoso que lhe davam.

Marquei esta viagem apenas com duas semanas de antecedência, fiz questão de ter transfer do aeroporto para o hotel e vice-versa, e nada mais ... foi mesmo "Just go with the flow".
E sabem uma coisa ?
Foi a melhor decisão da minha vida !!
Budapeste é uma cidade linda, cheia de gente boa com bom coração.
Há muito para ver e fazer e programar isso tudo conforme o nosso ritmo, a nossa vontade e com os nossos horários é algo insubstituível.

Para mim o melhor das viagens é a aprendizagem, com os sítios e as pessoas que deles fazem parte, mas foi nesta altura que também aprendi muito sobre mim, sobre a minha força e os meus receios, sobre a minha maneira de estar, de como vejo o mundo e todos os que nele habitam ... e que orgulho tenho do meu crescimento 😊

Agora já são quatro os países em que estive sozinha e só desejo que a vida me permita continuar esta aprendizagem em muitos mais.

Lutem pelos vossos sonhos, sem receios ...

Boas viagens

Beijinhos e muitas fofurices 💋


Comentários

  1. Que bela recordação :) A 1ª viagem sozinha tem sempre um sabor especial (ainda para mais com tantas peripécias). Viajar é tão bom!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Alexandra, as recordações valem milhões ... é voltar aos sítios novamente :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Neste momento não conseguia viajar sozinha pois constitui família e não ia deixar os meus filhos e marido para trás :) quando era solteira sempre gostei de viajar acompanhada , nunca fui uma aventureira solitária ;) mas adoro viajar , conhecer novos lugares , novas culturas <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos todos diferentes, o que interessa é conseguirmos fazer o que nos deixa felizes :)
      Beijinhos Paula

      Eliminar
  3. Eu infelismente nem sozinha nem acompanhada,ainda nao chegou o momento de eu descobrir o "gosto" pelas viagens. Belas peripécias as tuas,a parte boa é que tudo passa e esses maus momentos dão muito riso agora ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário